Laminação – Desafios para a produtividade

processo de laminação

A laminação, assim como o processo de trefilação, são operações de conformação mecânica do produto semiacabado, subsequente ao processo de lingotamento contínuo. Através de sucessivos ciclos de deformação plástica e tratamentos térmicos, na laminação a microestrutura do aço é refinada e o produto seguirá especificações geométricas (chapas, vergalhões, tubos, arames, etc.) de acordo com a necessidade de cada cliente, entre eles a indústria automobilística, madeireira, linha branca, de petróleo e gás, extração mineral, entre outras.

Por permitir trabalhar com um grande volume de material e obter produtos de geometrias variadas, a laminação é o processo de conformação mais utilizado industrialmente. O material é direcionado por entre dois ou mais rolos giratórios para que sua seção transversal seja alterada. Os produtos laminados devem apresentar níveis adequados de espessura, rugosidade, planicidade e resistência mecânica.
Para atender a estas exigências de qualidade, é fundamental que os rolos (cilindros) de laminação estejam em condições adequadas de utilização e apresente boa estabilidade e resistência mecânica, tenacidade à fratura e alta resistência ao desgaste.

O processo de laminação é extremamente severo no que diz respeito ao desgaste de peças devido às pressões envolvidas nesse trabalho, no volume de material processado e às temperaturas elevadas. Essas variáveis podem gerar danos nos componentes que impactam os fabricantes de 3 formas:

1 – Produção de produto não conforme: O desgaste de peças pode ocasionar o processamento de produto fora das especificações e geram refugos.

2 – Ineficiência na produção: O desgaste prematuro pode fazer com que os equipamentos não consigam produzir na sua capacidade ideal de trabalho.

3 – Paradas de máquina: Peças desgastadas necessitam ser substituídas e ocasionam a parada dos equipamentos para manutenção corretiva.

Figura 1 – Chapa do processo de laminação

Todos esses 3 pontos citados ocasionam custos elevados além de prejudicar o indicador de OEE.

>>Leia também: Indicador OEE: aumento de 1% resulta em um lucro líquido 7% maior

Revestimentos contra desgaste podem reduzir as falhas no processo de laminação e consequentemente os custos de manutenção, além de aumentar a disponibilidade da planta. Exemplo, aplicação de revestimento RW 1000 aumentou o MTBF de uma chapa de desgaste na laminação em mais de 1000% (ver Figura 1).

Nós preparamos um material logo abaixo que mostra do que forma o desgaste interfere na qualidade da laminação e o que pode ser feito para reduzi-lo ou eliminá-lo.

Compartilhe este conteúdo:

Desgastes na Laminação

Entenda como eles ocorrem para conseguir a solução e a melhoria da produtividade.

ico-estudo-de-caso-2

Entre em contato conosco

Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

    Entre em contato conosco

    Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

      Qual é a sua necessidade?

      Entre em contato conosco e descreva qual o seu problema para que possamos avaliar de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

      Conheça os revestimentos contra desgastes metálicos e cerâmicos utilizados pela Rijeza.

      Conheça as principais aplicações dos revestimentos contra desgastes na indústria.

      Rijeza Metalurgia

      Revestimentos contra desgastes

      RS 240, KM 4, 3815, Bairro Scharlau
      São Leopoldo – RS

      Desenvolvido por
      SiriusPrime

      Qual a sua necessidade?

      Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

        Agradecemos pelo seu interesse!

        Faça o download deste material clicando no botão a seguir:

        ×

        Olá!

        Clique no contato abaixo para iniciar uma conversa:

        × Como podemos ajudá-lo?