Corrosão por Pites: Você sabe como reduzir?

haste com corrosão por pites

Uma das formas de corrosão que encontramos, especialmente no segmento de Petróleo e Gás, é a corrosão por pites (ou corrosão por pites, corrosão alveolar). Ela se caracteriza pela formação de furos no metal, formando pequenos poços localizados.

Esse tipo de corrosão consiste na formação de pequenas cavidades (alvéolos ou pites) que começam na superfície da peça metálica que podem chegar a perfurar toda a espessura da peça, com pouca ou até mesmo nenhuma perda de espessura do material, e são extremamente difíceis de serem detectadas visualmente.

Mas, para saber como prevenir essa forma de corrosão, antes de mais nada, é importante conhecer como é o seu mecanismo.

Dissecando a corrosão por pites

corrosão por pitting também pode ser considerada um tipo de corrosão por frestas. Ela ocorre em regiões localizadas da superfície quando uma pequena área tem uma perda de passivação se torna anódica, e uma outra área (potencialmente grande) se torna catódica, levando a ocorrência de uma corrosão galvânica localizada. Esta corrosão também pode ser iniciada por um pequeno dano na superfície do material (como um arranhão, por exemplo), por uma alteração localizada na composição química ou por um dano na superfície protetora.

>> Baixe aqui: E-book – As formas mais comuns de corrosão metálica

Outro fator potencializador da ocorrência de corrosão por pites é a alta concentração de cloretos no meio em que o material está sendo utilizado.

O pite é formado pela presença de certos ânions no meio, e, em geral, o ion cloreto é o mais agressivo e mais abundante na natureza. Diversos metais sofrem  corrosão por pites em meios cloretos, dentre eles estão  os aços inoxidáveis, ferro, níquel, cobre, magnésio, zircônia, estanho, cádmio, alumínio e suas ligas, etc. Outros, como o  titânio, cromo e tântalo, apresentam uma maior resistência, porém não quer dizer que sejam completamente resistentes à ele. Aplicar revestimentos superficiais, como carboneto de cromo e carboneto de tungstênio com cromo podem ser alternativas muito interessantes pra proteger a superfície de peças contra esse mecanismo de desgaste. Elas possuem excelente resistência à esse mecanismo de desgaste, além da resistência à abrasão e erosão. O Inconel 625 também é outro excelente material. Mas isso é tema para aprofundar num próximo artigo.

Quer entender mais sobre desgaste por corrosão? Confira o material que preparamos a seguir.

Compartilhe este conteúdo:

Corrosão Metálica

O estudo da corrosão de superfícies é importante para solução de problemas de peças e equipamentos. Ter conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender seus mecanismos de atuação e suas causas é importante para saber que medidas devemos tomar pra prevenir sua ocorrência ou minimizar os impactos gerados.

ico-estudo-de-caso-2

Entre em contato conosco

Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

    Entre em contato conosco

    Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

      Qual é a sua necessidade?

      Entre em contato conosco e descreva qual o seu problema para que possamos avaliar de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

      Conheça os revestimentos contra desgastes metálicos e cerâmicos utilizados pela Rijeza.

      Conheça as principais aplicações dos revestimentos contra desgastes na indústria.

      Rijeza Metalurgia

      Revestimentos contra desgastes

      RS 240, KM 4, 3815, Bairro Scharlau
      São Leopoldo – RS

      Desenvolvido por
      SiriusPrime

      Qual a sua necessidade?

      Descreva abaixo de que forma podemos auxiliar o seu negócio:

        Agradecemos pelo seu interesse!

        Faça o download deste material clicando no botão a seguir:

        ×

        Olá!

        Clique no contato abaixo para iniciar uma conversa:

        × Como podemos ajudá-lo?